Pequenos Deuses – Terry Pratchett

pequenos-deuses_cover

Pequenos deuses é um pequeno livro sobre coisas muito grandes. Não me refiro aos deuses de DiscWorld, mas sim a própria religião e como a encaramos, além de outros pontos mais profundos. Esse título vem dar forças a minha opinião de que Terry Pratchett é um gênio da literatura: primeiramente ele escreveu um livro de fantasia cujo foco é religião e como as civilizações lidam com isso. E ainda aproveita para satirizar vorazmente os excessos dos religiosos, enquanto traça não apenas como DiscWorld (seu universo) funciona, mas também como os seus deuses se comportam. Continuar lendo

Quando os filmes crescem…

filmes

Reparei nas últimas resenhas que postei aqui no site que, quanto mais novo o filme, em geral, mais tempo ele dura. Pensei comigo se isso seria uma tendência real, porque se fosse, mais gente teria reparado também. Pesquisei na internet e achei diversos textos dizendo sobre os filmes realmente estarem durando mais. Acredito que eles estejam ainda ficando prontos mais rapidamente. Continuar lendo

As referências de Última Mensagem

reference-omicon-capa

Com o objetivo de explicar algumas referências encontradas no Última Mensagem, fiz um compilado de explicações sobre fatos curiosos e origens de diversos nomes encontrados no jogo. É uma espécie de grimório, mas com alguns adicionais que não são exatamente monstros. Aconselho a jogar até conseguir todos os finais e depois vir aqui ler sobre de onde vem essa quantidade de gente estranha. Agradeço ao Rafael Isidoro, que me mostrou a importância de fazer essa postagem.

Se você gostou desse projeto de jogo, sinta-se a vontade para contribuir com doação em qualquer quantia. O Última Mensagem é e sempre será gratuito e livre de propagandas, mas você pode me ajudar a fazer novos jogos com doações. Atualmente eu já tenho 2 projetos de jogos em andamento e pelo menos outras 10 ideias para trabalhar em projetos independentes, além de 2 ou 3 aplicações para a área médica. Mas se quiser só jogar também, fique a vontade. 🙂

Continuar lendo

Zhong Kui Snow Girl and the Dark Crystal (2015)

snow-girls-and-the-dark-crystal-capaJá fazia muito tempo que eu não assistia a um filme chinês. O último que me lembro foi um filme com Jet Li… Mas eu diria que os filmes chineses mais recentes tem me impressionado bastante, tanto no roteiro quanto na qualidade visual. Zhong Kui: Snow Girl and the Dark Crystal (traduzido hilariamente em português de Portugal como Zhong Kui: a rapariga da neve e o cristal negro) é um exemplo de filme épico que aborda bastante da cultura chinesa. Continuar lendo

Última Mensagem: inspirado em Lovecraft, mas com ar de modernidade

um1

“Última mensagem” é o primeiro jogo que eu consegui lançar como, se não terminado, ao menos em finalização. Eu estava cansado de outro projeto que estou trabalhando nas férias da faculdade, denominado “Ghost Hunt” por ora, e meu irmão “mandou eu descansar”. Simples assim. O descanço durou até eu decidir fazer um jogo pequeno e simples o bastante para poder espanar as frustrações do trabalho gráfico de “Ghost Hunt”, que já estava enfadonho. Inspirado por alguns outros jogos, como “Seen”, e pelo conto interativo “Annie96 is typing…”, resolvi fazer algo com cara de aplicativo de mensagens instantâneas, vulgo “What is up”, Zipzop ou como queiram. Continuar lendo

A Mulher de Preto – Susan Hill

a mulher de preto capa

Moda: capa do livro usando recursos do filme. Estrelado por Harry Potter.

“A mulher de preto” é uma história de 1983, escrita pela inglesa Susan Hill no estilo das novelas góticas. Eu cheguei ao livro após ver o trailer do filme homônimo, que me foi recomendado. Não gosto de filmes de terror, principalmente devido aos inúmeros “jump scares” que hoje se tornaram a essência desses filmes. Saudades das obras com Vincent Price… Mas em livros de terror não há esse recurso terrível, que mais brinca com o susto do que com o medo. Resolvi ler a história então, ignorando a existência do filme. Continuar lendo

Ensaio n.3 – Memória

Errar é humano, mas na música não costuma ser desejado. Tudo bem que aprendemos com os erros, mas às vezes não é hora de aprender e só de executar uma peça. Essas horas normalmente são as horas de gravação.

Há muito tempo venho postando as músicas que gravo aqui no site (bem como no SoundCloud e agora também no YouTube). Inicialmente eu só conectava a saída de áudio do teclado no computador, começava a gravar e seja o que Deus quiser. Ao errar eu repetia o processo todo, sem salvar nada do que fora feito. A qualidade não era muito boa e descobri isso quando comprei um cabo novo com adaptadores para ligar os dois. Melhorou bastante, mas o processo ainda era o mesmo. Continuar lendo